quarta-feira, novembro 23, 2005

Não resisti...

Tenho de pedir desculpas ao Tiago Cristóvão, por transcrever algo que está no blog dele. O texto é lindíssimo... e reflecte muitos estados de alma!


De Mónica Calle.Uma criação da Casa Conveniente na Culturgest.

"Moro neste país de água. Moro neste país por engano. Mas vem ver-me se quiseres. Nós não temos mais feridas para abrir. A noite está cada vez mais perto de nós. Talvez seja melhor que não o diga. Caminhamos em direcção um do outro. Inútil. Ainda te quero tocar. Stop. Chega. Continua a chover. Olho e fixo um ponto invisível no muro. Ninguém o pode roubar. Moro neste país líquido acredita-me por engano. Tenho-te do outro lado da pele. Sobreviver para além de cada dia. Para além do desejo. O deserto das palavras. Tenho medo de escrever. O meu desejo cola-se agora ao rio. À deriva. Longe daqui. É uma outra maneira de sufocar. Viajo. Invento outros prazeres. Outras perversões. Outros mortos que conservam vivo este corpo. Terei eu segredos? Na ausência do corpo que amamos com intensidade o texto aparece. Escrever as palavras que não podemos compreender. Escrever de maneira a não compreender aquilo que foi escrito. Repito. Mas vem ver-me se quiseres."

Mónica Calle

0 Comentários:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home